Orçamento gratuito online!

Postado em: 28/05/2018 09:42:00 por Equipe ConsertaSmart


A Xiaomi figura há tempos como uma das maiores fabricantes de smartphone da Ásia — porém, a situação muda quando analisamos seu desempenho no resto do mundo. A empresa tentou entrar no Brasil, mas as coisas não deram muito certo e ela foi obrigada a sair de fininho. Já nos EUA, a gigante chinesa nunca sequer tentou a sorte; é difícil encontrar um norte-americano que conheça a marca e tenha interesse em comprar qualquer modelo desenvolvido por ela.

Porém, de acordo com informações obtidas pelo Android Central, tudo indica que a companhia ainda não expandiu sua atuação para aquela região justamente por estar planejando uma estreia bastante cuidadosa. Recentemente, o site teve a oportunidade de bater um papo com John Chan, diretor de engenharia da MIUI (sistema operacional próprio, baseado no Android, que é usado em todos os modelos da empresa), e o executivo não titubeou ao comentar sobre o futuro da Xiaomi para os Estados Unidos.

“Nosso caminho [para os EUA] é através das operadoras. Tradicionalmente, a única marca com algum tipo de sucesso fora das operadoras nos EUA é a OnePlus, e ela ainda continua restrita a uma parcela bem pequena de usuários. Pessoas que pesquisaram e ficaram sabendo dela. Nós queremos trazer nossa linha inteira, incluindo a série Redmi. Nós só temos que descobrir como chegar nas operadoras estadunidenses”, comentou Chan, que viajou para os Estados Unidos durante a conferência Google I/O 2018.

De fato, vender smartphones nos Estados Unidos sem o apoio de uma operadora é uma tarefa desafiadora. Diferente do Brasil, os norte-americanos estão acostumados a adquirir aparelhos atrelados a um plano pós-pago (ou seja, bloqueados), visto que o custo mensal acaba sendo bem menor do que as parcelas de uma unidade desbloqueada. Até mesmo a Google, gastando rios de dinheiro com marketing, não obteve vendas satisfatório com o Pixel 2, que até o momento é vendido apenas pela Verizon.

Adaptações e mais adaptações

Mas, naturalmente, a estratégia da Xiaomi não acaba por aí. A companhia também está disposta a abandonar sua tradicional cultura de vender celulares exclusivamente pela internet e quer achar um jeito de colocar seus gadgets em todas as gôndolas dos EUA. A ideia é economizar com marketing e permitir que os compradores em potencial vejam aquele Mi Mix ao lado dos modelos fabricados pela Apple e pela Samsung, podendo fuçar nele à vontade e comparar o custo-benefício.

A marca também entende que será necessário adaptar a MIUI para o público norte-americano, visto que as experiências de software divergem em cada país. Na Índia, por exemplo, a companhia foi alvo de críticas por conta de seu aplicativo “embelezador” para selfies, que estava retirando joias e pelos faciais dos rostos de seus usuários. Foi depois de receber as críticas que a fabricante pôde atualizar e adaptar o programa para a realidade cultural daquele mercado.

De qualquer forma, é pouco provável que a Xiaomi entre nos EUA no curto prazo — esse estudo deve demorar mais alguns bons meses, garantindo que nada saia errado e evitando mais confusões entre o mercado estadunidense e empresas chinesas (como ocorreu com a Huawei e com a ZTE).



Excelência em reparo de aparelhos eletrônicos. Mais de 370 unidades em mais de 3 países.

Responsabilidade Social

A Rede Conserta Smart é comprometida com a melhoria do meio ambiente e o consumo responsável. Prolongue a vida útil de seus equipamentos ao invés de descartá-los.


A rede utiliza sistemas e processos online, objetivando transparência na execução de serviços. Todos os cursos e treinamentos são certificados para garantir total qualidade no atendimento ao cliente.


Quem pode abrir uma ConsertaSmart?

Qualquer pessoa empreendedora, não exigimos um perfil técnico. Conheça nossa Franquia. Conhecer mais...


Imprensa

Somos a maior referência em conserto de celulares na América Latina. Fornecemos relatórios e dados de mercado. Email: [email protected]

Orçamento rápido

Não, obrigado (x)